As questões de gênero e as diferenças culturais no contexto escolar


 

RESULTADO DE INVESTIGACIÓN: Proyecto de investigación sobre las contribuciones e implicaciones de la experiencia del curso de Formación, Género y Diversidad en la Escuela, GDE de Enseñanza Fundamental y Media de Santa Catarina

 

Resumo:*


Este texto objetiva discutir e refletir sobre como as questões de gênero e as diferenças culturais são entendidas e trabalhadas no campo escolar. As concepções teóricometodológicas abarcam autor@s alem@s e brasileir@s. É um estudo qualitativo que foi realizado em três escolas localizadas no Estado do Rio Grande do Sul. Neste estudo constatou-se que, a maioria d@s professor@s trabalham as questões de gênero numa perspectiva estereotipada ou neutra. A temática das diferenças culturais na sala de aula era abordada de forma “negativa” e/ ou “ignorada”. A proposta é trabalhar as questões de gênero e as diferenças culturais na perspectiva da Pedagogia da Eqüidade, isto é, “reconhecer” a existência das diferenças (de gênero, étnico-racial, de orientação sexual, classe social, religião, etc.). Isso inclui a re-discussão de conceitos, ideias, competências, atitudes necessárias para o desenvolvimento de alun@s responsáveis, crític@s, étic@s e competentes, capazes de interagir num grupo intercultural, livres de estereótipos, preconceitos, discriminações, racismos, contribuindo assim, na constituição de uma sociedade mais justa e igualitária para tod@s.


Palavras- chaves: questões de gênero, diferenças culturais, educação escolar.



Abstract:


This paper aims to discuss and reflect on how “doing gender” and cultural differences are understood and treated in schools. The theoretical and methodological conceptions cover German and Brazilian authors. It is a qualitative study which was conducted in three schools located in the State of Rio Grande do Sul. In this study it was found that most teachers treat the issues of doing gender from a stereotypical or neutral perspective. The issue of cultural differences in the classroom was addressed in a negative manner and/or ignored. It is proposed to treat “doing gender” and cultural differences in perspective of the “Pedagogy of Equity”, that is, to "recognize" the existence of differences (gender, ethnic, racial, sexual orientation, social class, religion, etc.) This includes the rediscussion of concepts, ideas, skills and attitudes needed for the development of students who are responsible, critical, ethical, competent, able to interact in an intercultural group, free of stereotypes, prejudice, discrimination, and racism, thus helping to establish a more just and egalitarian society for all citizens.


Keywords: “doing gender”, cultural differences and schooling



1. Referencial Teórico


Este estudo objetiva discutir e refletir sobre como as questões de gênero e as diferenças culturais são entendidas e trabalhadas no campo escolar considerando os princípios dos Parâmetros Curriculares Nacionais – PCN, especialmente, os Temas Transversais: Pluralidade Cultural (Volume 10.3) e Educação Sexual e Relações de Gênero (Volume 10.6).


Os PCNs foram publicados no ano de 1997 no território brasileiro, com abrangência nacional, proporcionando aos profissionais da educação, subsídios teórico-metodológicos sobre diversas áreas do saber. Este documento propõe que o conhecimento escolar seja organizado em diferentes áreas, conteúdos e temáticas sociais, as quais devem contribuir para a compreensão e intervenção na realidade em que vivem @s educand@s.


Segundo os PCNs, Temas Transversais - Pluralidade Cultural,


o Brasil representa uma esperança de superação de fronteiras e de construção da relação de confiança na humanidade. A singularidade que permite essa esperança é dada por sua constituição histórica peculiar no campo cultural. Isto é, apesar da discriminação, da injustiça e do preconceito, o Brasil tem produzido também experiência de convívio, reelaboração das culturas de origem, constituindo algo intangível que se tem chamado de brasilidade, que permite a cada um reconhecer-se como brasileiro[1].


A escola dever ser o local de aprendizagem em que as regras do espaço público possam permitir a coexistência, em igualdade para os diferentes. No entanto, um dos desafios atuais da escola, é reconhecer a diversidade como parte inseparável da sociedade brasileira e, investir na superação de qualquer tipo de discriminação, objetivando valorizar a trajetória particular dos grupos que a compõem.


O Trabalho com Pluralidade Cultural poderia promover atitudes de compreensão, respeito, tolerância na sala de aula e diminuir atitudes preconceituosas, discriminatórias em relação a qualquer tipo de diferença, pois ser diferente em termos de classe social, religião, etnia, opção sexual, aspecto físico, nível de aprendizagem, etc., não deve ser considerado como justificativa para um tratamento desigual.


[1] BRASIL, 1998, p. 122.


*Universidad Federal de Santa Catarina UFSC, Florianápolis, Brasil - Bolsista de Pós-Doctorado Interdisciplinar en Ciencias Humanas del Programa de Apoyo a Planes de Reestructuración y Expansión de las Universidad Federales REUNI, Ministerio de Educación Nacional, Brasil / mareligraupe@hotmail.com

Entradas Destacadas